sábado, 21 de novembro de 2009

Carne estufada com pimentos

Andava já há algum tempo com vontade de fazer alguma coisa com pimentos. Neste Sábado chuvoso, em que apetecia comidas quentes e mais pesadas que aconcheguem o estômago, soube bem uma carne assim.

Ingredientes:
800 gr de carne de vaca
1 cebola
1 alho francês dos mais finos
1 colher (sopa) de margarina sem sal
1 dl de vinho tinto
1/2 pimentão vermelho
1/2 pimentão verde
1/2 pimentão amarelo
polpa de tomate
1 latinha (185 gr) de cogumelos laminados
1 colher (sobremesa) de mostarda (opcional)
sal qb
pimenta preta moída na altura qb

Preparação:
Arranje a carne, corte-a em cubos pequenos e tempere com sal e pimenta a gosto.
À parte, aloure a cebola picada grosseiramente num pouco de margarina, adicione o alho francês, e por fim a carne e o vinho. Regue com um pouco de água quente e deixe cozinhar.
Lave e corte os pimentos às tiras e acrescente à carne. Adicione polpa de tomate até obter a consistência desejada (e a mostarda, se for o caso) e deixe cozer durante alguns minutos. Rectifique os temperos. Sirva com arroz branco ou massa à parte.

Um prato de preparação bem fácil, como podem ver. Eu tenho por hábito usar a polpa de tomate para conseguir um molho mais consistente, pois ao contrário do ketchup, a polpa de tomate não tem açúcar adicionado nem aqueles E's todos (e evita-se igualmente a necessidade de adicionar farinha para engrossar o molho). O resultado é um molho de tomate mais forte que vai bem com pratos assim.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Bolo de cenoura integral

Ontem esteve um dia de Outono cinzento e chuvoso, daqueles em que só apetece ficar em casa a mandriar.
Perguntei a uma amiga se queria passar lá por casa para vermos um filme e acabei por fazer um bolo que comemos ainda morno para o lanche.


Ingredientes:
160 gr de farinha integral com fermento
1 cenoura ralada (150gr)
120 gr de margarina sem sal
100 gr de açúcar mascavado claro
1 ovo

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 170º. Unte uma forma tipo bolo inglês e polvilhe-lhe-a com farinha. Peneire a farinha com o fermento e reserve.
Numa taça, bata a margarina com o açúcar até ficar num creme mais claro, junte o ovo e misture bem. Acrescente a cenoura ralada e, por último ,a farinha.
Despeje esta massa na forma untada e leve ao forno quente, sem alterar a temperatura, durante cerca de meia hora.

Esta receita foi baseada nesta daqui. Como podem ver, fiz alguns ajustes como usar a farinha integral já com fermento (Insular) e substituí o açúcar branco por açúcar mascavado claro (Whitworths). A margarina usada foi Becel.
Resultou num bolo leve e gostoso!

domingo, 15 de novembro de 2009

Bavaroise de manga

Ora aqui está uma sugestão gulosa para uma fruta da época que eu adoro: mangos! Usei só metade das doses indicadas e ficou uma bavaroise pequenina e... deliciosa!

Ingredientes:
600 gr de mangas maduras
sumo de 1 limão
125 gr de açúcar em pó
7 folhas de gelatina
2 caixas de natas (usei natas light)

Preparação:
Descasque as mangas, corte-as aos cubos e triture-as juntamente com o sumo de limão e o açúcar.
Ferva o preparado de manga com a gelatina demolhada e deixe depois amornar.
Bata as natas e misture-as no preparado anterior.
Encha com ele uma forma com 24 cm de diâmetro e leve ao frigorífico de um dia para o outro.
Desenforme e, se quiser, decore com fatias de manga e folhas de hortelã.


Fonte: revista Teleculinária nº 904

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Bacalhau de S. Martinho

Ontem foi véspera de S. Martinho. Desde criança que em casa dos meus pais esse dia é sinónimo de bacalhau na brasa, castanhas e provar o vinho novo. Esta é a receita de bacalhau na brasa do meu pai (não tem medidas exactas pois ele vai adicionando os temperos "a olho") e bacalhau gostoso como este eu não encontro em mais lado nenhum!



Bacalhau na brasa
bacalhau seco pequeno/médio

Para o molho:
azeite
alho esmagado
louro
pimentão vermelho/verde
malaguetas
salsa picada
oregãos
pimentão-doce em pó (colorau)
sumo de 1/2 limão
e um "cheirinho" de vinho Madeira

Preparação:
Demolhe o bacalhau durante uns 2 dias, mudando a água várias vezes, de modo a retirar o excesso de sal. Pendure o bacalhau para retirar o excesso de água (assim, não vai pegar na grelha na altura de assar). Prepare o molho, picando o louro, o pimentão e as malaguetas grosseiramente. Pincele muito bem o bacalhau de ambos os lados com o molho e estenda-o inteiro na grelha a assar.

Sabiam que se pode congelar o bacalhau assado desta maneira? Normalmente, o meu pai aproveita e assa bacalhau a mais. O que sobra é separado em pedaços não muito grandes e congelado nas doses pretendidas. Em qualquer altura podemos descongelar uma destas doses, fazer um molho de vinagrete e desenrasca-se uma refeição ;)


E é claro que na ceia de S. Martinho não podiam faltar as castanhas assadas. É só aproveitar a brasa enquanto se faz o bacalhau.



Castanhas assadas:
castanhas
sal qb

Preparação:
Dê um golpe no topo das castanhas e deite-as com um punhado de sal num assador de barro próprio para o efeito. Coloque o assador sobre as brasas durante uma boa meia hora.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Strogonoff com arroz basmati

Hoje íamos fazer uma receita oriental com noodles para o jantar, mas fomos a um supermercado que não tinha nada daquilo que precisávamos (nem mesmo os legumes!) por isso houve mudança de planos. Vi lá uns bifes de filete do lombo que me pareceram bem apetitosos e que resultou num strogonoff guloso. Confesso que não costumo comer muita carne de vaca, é uma carne sem a qual passo bem, mas este filete que comprámos era divinal e tive que me conter para não dar cabo do que sobrou!



Ingredientes: (p/ 2-3 pessoas)
2 bifes de filete do lombo
3/4 chávena de arroz basmati
1 lata (185 gr) de cogumelos laminados
1 cebola média picada
1 dente de alho picado
200 ml de natas
1 colher (sopa) de polpa de tomate
1 colher (sopa) de ketchup
1 colher (sopa) de conhaque
Azeite qb
Sal qb
Pimenta preta moída na altura qb

Preparação:
Prepare o arroz conforme as instruções da embalagem. Reserve.
Corte a carne em tiras. Coloque numa tigela e tempere com sal e pimenta. Deite azeite numa frigideira e junte uma parte da carne e espere dourar. Mexa um pouco para dourar todos os lados. Retire a carne já refogada da frigideira, coloque mais um pouco de azeite e junte as restantes tirinhas de carne. Se colocar toda a carne de uma só vez, a carne esfriará o tacho e irá cozinhar no próprio líquido, deixando-a rija.
Coloque um pouco de azeite noutro tacho ligeiramente maior e leve ao fogo baixo para aquecer. Acrescente a cebola picada e refogue por 2 minutos. Junte o alho picado e refogue por mais 1 minuto. Junte a carne, os cogumelos, a polpa de tomate, as natas e deixe cozinhar por 2 minutos, mexendo sempre.
Junte o ketchup e o molho inglês, e por último o cognac. Cozinhe por mais 1 minuto e retire do lume. Verifique os temperos e sirva imediatamente.

Esta receita (que foi baseada nesta daqui) é um pouco mais cara devido ao preço da carne, mas a preparação também é relativamente simples. Como de costume, tentei torná-la um tanto ou quanto mais leve e por isso usámos natas para culinária light (Mimosa). Infelizmente os cogumelos tiveram que ser de conserva porque nem cogumelos frescos encontrámos (este supermercado estava mesmo uma miséria!) mas deve ficar ainda mais delicioso com cogumelos frescos.

Acompanhámos com arroz basmati e uma mistura de legumes cozidos.

Desculpem lá a falta de qualidade da foto, mas foi tirada à pressa porque já estávamos esfomeados!

Desastres culinários

Acho que também devemos partilhar quando as coisas não correm muito bem, afinal não me vejo como uma expert em culinária e espero também poder aprender com quem por aqui passa.
O meu bolo preferido, de todos os bolos que existem neste mundo e arredores, é o de bolacha! Por vezes entro numa pastelaria e não resisto a uma boa fatia. Infelizmente, e por mais ridículo que pareça pois é um bolo de confecção simples, nunca me acerta e já tinha desistido há anos de tentar fazê-lo...
Aqui no Funchal, já tenho debaixo de olho umas 2 ou 3 pastelarias que sei que fazem um bolo de bolacha excelente!  E sempre me pergunto que creme é aquele que usam, pois não sabe a manteiga (não gosto muito daquele creme tradicional de manteiga) nem é dos que são feitos à base de leite condensado nem de pudim instantâneo.
Então há dias, decidida a ultrapassar esta minha frustração culinária, entrei numa dessas pastelarias da lista e como quem não quer a coisa perguntei que creme usavam no bolo de bolacha. Disseram-me que a pasteleira usa creme russo. É claro que corri para casa à procura de receitas de creme russo e ontem à tarde decidi experimentar.
Quando fui provar, embora o sabor fosse muito bom, tive que rebaptizá-lo como Pudim de Bolacha :(
Sei que em parte deveu-se ao facto de ter molhado demasiado a bolacha no café (como disse, já não fazia este bolo há muitos anos mesmo) mas também acho que a escolha do creme não foi a melhor. Sugestões?...

domingo, 8 de novembro de 2009

Massa integral com natas e espinafres

Hoje não me apetecia nem carne nem peixe para o almoço. Pensando em alternativas, lembrei-me logo de fazer um prato de massa (acho que massa é como o bacalhau: deve haver 1001 maneiras de prepará-la!). Esta é uma receita a que recorro com alguma frequência pois é uma maneira gostosa de incluir espinafres na alimentação.


Ingredientes: (p/ 3 pessoas)
250 gr de massa integral a gosto
200 ml de natas
1 molho de espinafres
1 lata (185 gr) de cogumelos laminados
1 lata (185 gr) de milho doce
1/2 copo de vinho branco seco
sal qb
pimenta preta moída na altura qb

Preparação:
Cozer a massa conforme as instruções da embalagem e reservar.
Cobrir o fundo de uma frigideira larga com água a ferver e adicionar as folhas dos espinafres. Deixar que os espinafres cozam (ir adicionando água quente conforme necessário).
Quando estes já estiverem cozidos (e quase sem água) adicionar os cogumelos, o milho doce e as natas envolvendo bem. Temperar a gosto. Verter este molho sobre a massa, misturar bem e está pronto a servir. Pode ainda polvilhar com queijo ralado.

Como podem ver é mais um prato simples e rápido de fazer, nada dispendioso e se usar natas de soja light (Alpro Soya) como eu fiz obtém  um molho  livre de gorduras. Obviamente que podem usar cogumelos frescos e/ou adicionar outros legumes ao molho ao vosso gosto (eu usei o milho doce para dar cor ao prato!). Se ao contrário de mim vos apetecer carne/peixe, experimentem adicionar tirinhas de frango ou de salmão.

Embora a receita mencione espinafres frescos, hoje usei espinafres congelados - o que torna a confecção do prato ainda mais rápida pois os espinafres congelados levam menos tempo a cozer: basta adicioná-los (sem descongelar) ao molho das natas.

sábado, 7 de novembro de 2009

Castanhas com erva-doce

Estas são as castanhas que se comia em casa dos meus pais desde que eu era criança, juntamente com o bacalhau na brasa na altura do S. Martinho. Embora agora o meu pai tenda mais a fazê-las assadas (aproveitando a brasa do churrasco), acho que continuo a preferi-las cozidas com aquele sabor adocicado da erva-doce.



Ingredientes:
Castanhas
1 colher (sobremesa) rasa de erva-doce
sal qb

Preparação:
Dar um corte no topo das castanhas e levá-las a cozer  numa panela de pressão, cobertas com água à qual se adicionou o sal e a erva-doce, durante 20-25 minutos - e estão prontas!

Sabiam que sempre que compram castanhas, os meus pais costumam deixá-las espalhadas umas horas ao sol durante uns 2 dias? Aparentemente, este processo deixa-as mais doces.

E para quem não gosta que as sementinhas de erva-doce fiquem agarradas à casca das castanhas, um dos truques do tempo das nossas avós consiste em fazer um ninho de erva-doce num paninho, atando-o como se fosse uma trouxinha, e mergulhá-lo na panela juntamente com as castanhas.


Informação Nutricional:
As castanhas são deliciosas, e muito saudáveis, pois são ricas em nutrientes. Têm bastante água, contêm muito pouco óleo, e são virtualmente livres de gordura. São ricas em hidratos de carbono complexos e contêm proteína de elevada qualidade – comparável com a do ovo – não têm glúten, nem colesterol. Nutricionalmente, são idênticas ao arroz integral. Curiosamente, têm tanta vitamina C como os limões.
De seguida apresenta-se uma lista com a constituição das castanhas, por 100g:
Hidratos de Carbono: 52.96 g
Energia: 245 kcal/ 1025 kJ
Gordura poli-insaturada: 0.869 g
Gordura monoinsaturada: 0.759 g
Açúcares: 10.6 g
Fibra: 5.1 g
Proteínas: 3.17 g
Lípidos: 2.2g
Magnésio: 33 mg
Manganês: 1.18 mg
Ferro: 0.91 mg
Fósforo: 107 mg
Potássio: 592 mg
Riboflavina: 0.175 mg
Sódio: 2 mg
Zinco: 0.57 mg
Cálcio: 29 mg
Betacaroteno: 14mcg
Cobre: 0.507mg
Vitamina K: 7.8mcg
Vitamina E: 0.5mg
Vitamina C: 26mg
Vitamina B6: 0.497 mg
Vitamina A:24IU

(Fonte: www.centrovegetariano.org)

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Massa gratinada com atum

Hoje saímos do trabalho e viemos directos para casa pois o jeitoso queria ver o jogo de futebol que tinha começado às 18h. Eu disse que ia ver então o que conseguia desenrascar para o jantar com o que havia em casa. Lembrei-me de fazer a versão com atum da massa que às vezes fazia no forno (inicialmente, aprendi a versão vegetariana desta massa, com ratatouille). Não tem nada de especial, a não ser o facto de que é um daqueles pratos práticos para fazer num dia de semana depois do trabalho e ainda o facto de que, apesar de ser à base de massa, o molho é pobre em calorias.





Ingredientes: (p/ 3-4 pessoas)
250 gr de massa a gosto
3 latas de atum ao natural (em água)
3 colheres (sopa) de cebola picada
1 lata (185 gr) de cogumelos laminados
250 gr de polpa de tomate
1 copo de vinho branco seco
natas de soja light Alpro Soya qb
orégãos qb
sal qb
pimenta preta moída na altura qb

Preparação:
Cozer a massa al dente em água e sal. Reservar.
À parte, deixar a cebola a ferver num pouco de água. Adicionar os cogumelos, o vinho branco, o atum e temperar a gosto com os orégãos, o sal e a pimenta. Juntar a polpa de tomate e rectificar os temperos.
Cubra o fundo de um recipiente de ir ao forno com uma camada de massa cozida. Por cima, espalhe uma camada do molho de atum em tomate. Torne a cobrir com a restante massa. Termine com mais uma camada do molho e cubra com as natas de soja. Leve ao forno para gratinar.

Como podem ver, este prato é económico, de fácil preparação, prático e fat free!

Sugestões: adicionem pimentão vermelho cortado aos quadradinhos ao molho de atum e/ou azeitonas pretas descaroçadas e laminadas (infelizmente, o jeitoso não gosta de nenhum deles... mas que bem que o pimentão ia ficar bem aqui!). Na altura de gratinar, podem ainda espalhar algum queijo (magro) ralado. Este prato também é óptimo para aproveitar as sobras que tenham no frigorífico (frango, etc). Para a próxima, vou fazer com massa integral e tentar inventar uma receita light de molho béchamel para substituir as natas.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Frango com castanhas

Novembro lembra-me castanhas. Agora que o tempo já começa a arrefecer um pouco, combinam muito em pratos de carne de porco ou de frango, ou até mesmo numa sopa. E porque já estamos na época das castanhas, e que deliciosas que são!, aqui fica uma sugestão:



Ingredientes: (p/ 4-5 pessoas)
1 frango cortado em 8 pedaços e limpo de peles e gordura
500 gr de castanhas peladas congeladas
1 cebola
1 folha de louro
500 gr tomate pelado
200 cogumelos laminados
1 cálice de vinho Madeira
1 colher (sobremesa) de pimentão doce em pó
1 colher (chá) de farinha maisena
sal qb
pimenta preta moida na altura qb

Preparação:
Cobrir o fundo dum tacho de fundo largo com água a ferver e juntar a cebola picada. Deixar a cebola cozer um pouco, adicione o frango, e junte água a ferver suficiente para que o frango coza. Nesta altura, adicione também o louro, o tomate cortado em cubos, os cogumelos, o pimentão doce, sal e pimenta a gosto.

Quando o frango estiver quase cozido, junte o vinho e as castanhas. Retifique os temperos, tape o tacho e deixe cozer o tempo suficiente para que as castanhas fiquem cozidas sem se desfazerem muito. Se achar que o molho está muito líquido, desfaça bem a farinha maisena num pouco de água fria e adicione ao preparado anterior enquanto as castanhas ainda estão a cozer, envolvendo bem e sempre com cuidado para não desfazer as castanhas.

Para servir, disponha os pedaços de frango numa travessa de ir à mesa e cubra com o molho de castanhas. Acompanha bem com arroz branco.

Repare que a cebola não foi refogada da maneira tradicional. Regra geral, quando estamos a fazer um estufado, podemos perfeitamente evitar refogar a cebola em gordura - basta cozê-la um pouco em água a ferver no fundo do tacho, e ir mexendo tal como se estivessemos a usar azeite/margarina. Verão que no final nem se nota a diferença e parece que a cebola foi refogada. Deste modo, a única gordura que este prato contém, é a que possa vir da própria carne do frango.

Este prato não é complicado de fazer, só é preciso ter cuidado para que as castanhas não cozam muito nem se desfaçam. Eu utilizei tomate pelado enlatado e cogumelos enlatados também. Só se torna um pouco mais dispendioso devido às castanhas.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Pota estufada

De vez em quando o meu pai compra pota e prepara-a de diferentes maneiras: frita, em escabeche, etc. Confesso que não sou grande apreciadora pois não tem muito sabor; prefiro lulas!
No entanto, decidi experimentar pois afinal a pota é uma alternativa económica às lulas e podem-se fazer praticamente os mesmos pratos com ambas. O resultado foi um molho picante gostoso (que compensou a falta de sabor da pota) adaptado de uma das receita de lulas do Pingo Doce.




Ingredientes: (p/ 2 pessoas)
400gr de pota cozida
1 cebola pequena
1 folha de louro
1/2 colher (sobremesa) de margarina
3 tomates bem maduros
1 colher (sobremesa) de mostarda
limão qb
sal qb
piripiri qb
cebolinho fresco qb

Preparação:
Colocar a margarina num tacho quente e adicionar a cebola cortada em rodelas muito finas. Junte-lhe a folha de louro. Pele e esmague o tomate e junte à cebolada. Adicione a pota já cozida e cortada em cubos, algumas gotas de sumo de limão, o sal e o piripiri e deixe apurar. Por fim, adicione a mostarda. Polvilhe com cebolinho fresco picado ao servir.

Acompanhei apenas com feijão-verde cozido. E para sobremesa, simples e deliciosamente... manga. Está na época deste fruto soberbo!

Nesta receita usamos a pota previamente cozida na panela de pressão de modo a que não fique rija. Como de costume, substituí o azeite+margarina da receita original apenas por margarina vegetal sem sal (Becel) e simplesmente ignorei as 2 gemas que mencionava lá (também de modo a reduzir no colesterol). Costumo ter em casa tomate pelado enlatado (que dá imenso jeito ter na dispensa) mas desta vez não tinha e, na falta de tomate fresco, usei polpa de tomate. Nesta receita pode-se, obviamente, usar lulas em vez de pota.

Aliás, para quem gosta de "dentinhos" bem condimentados, esta é uma sugestão económica e fácil de preparar.